sábado, 27 de janeiro de 2018

Engolir a pílula

“Pais e filhos”, publicado em 1862, é o melhor romance de Ivan Turguéniev (1818-1883) e um dos melhores do século XIX. Nikolai Petróvitch ouve por acaso uma conversa entre o seu filho Arkádi e o amigo Bazárov, um niilista radical – é, sem dúvida, a grande personagem do livro. Bazárov diz: “O teu pai é boa pessoa, mas é um homem antiquado, o tempo dele já passou.” Estas palavras desanimaram o “velho” Nikolai, na altura com quarenta e poucos anos. Apesar de viver no campo, este aristocrata generoso e culto esforçava-se por se manter actualizado e a par das modas intelectuais e políticas, havia lido os grandes autores, autores que a juventude via agora com desdém, considerando-os inúteis e uma perda de tempo. Nikólai desabafa então com Pável, o seu irmão mais velho: “Sabes do que me lembrei mano? Uma vez discuti com a nossa falecida mãe: ela gritava, não me queria escutar… Eu por fim disse-lhe: «a mãe não me pode compreender, pertencemos a duas gerações diferentes.» Ela ficou horrivelmente ofendida, e eu pensei: que fazer? A pílula é amarga, mas é preciso engoli-la. Pois agora chegou a nossa vez, e os nossos herdeiros também nos podem dizer: vocês são de outra geração, engulam a pílula.”
Turguéniev captou de forma genial uma questão intemporal. De uma forma ou outra, tarde ou cedo, temos de engolir a pílula. É a vida.

Sem comentários:

Enviar um comentário

Não são permitidos comentários anónimos.