quarta-feira, 1 de fevereiro de 2017

Manifesto Anti LA-C

Todos os contribuidores deste blog foram para o mesmo convidados pelo seu fundador LA-C. Alegadamente para enriquecer o seu conteúdo. Para dar voz a quem teria, de acordo com o mesmo, algo de interessante e de valor para dizer.
Contudo, não satisfeito com a relativamente vasta audiência do blog, LA-C queria mais. E assim começa a alargar o seu comentário à televisão e aos jornais, culminando há pouco mais de um ano com a sua entrada para o Observador.
Poderiam os seus detratores olhar para tal data como um momento terrível na história do comentarismo em Portugal – a data em que a voz que não merecia ser ouvida encontrou um megafone do tamanho das suas ambições. Mas, como se diz em bom português, há males que vêm por bem. E assim, o universo comentador do Observador teve finalmente oportunidade para desmascarar LA-C. Sabemos finalmente ao que vem. A sua verdadeira natureza.

E a verdade é só uma. Esperem. Afinal não. Parece que há mais. São várias verdades. Parece que há mais que uma alternativa.
Para decidir qual delas é a melhor verdade, iniciou-se em segredo um processo de investigação de rigor e ambição sem precedentes na blogosfera portuguesa. Uma equipa de investigadores acima de quaisquer suspeitas (eu), seleccionou os comentários que melhor descrevem LA-C através de um método científico comprovado (ao calhas). Esta amostra, absolutamente representativa de 98 comentários (como vêm, 98, número claramente aleatório e representativo) foi posteriormente distribuída por cinco categorias, que nos permitem finalmente perceber qual a real natureza de LA-C:

Alternativa A: LA-C é um burro do caralho


A opinião mais popular (33%) é de que LA-C não sabe do que escreve. É burro, intelectualmente desonesto e tem portanto as características perfeitas para ser cronista em Portugal. Se dúvidas restam, vejam-se as seguintes provas contundentes:
  • "Miguel Esteves Cardoso está correcto e Luís Aguiar-Conraria não sabe portugués"
  • "Parabéns, há muito tempo que não lia um artigo tão idiota (de longe o comentário mais popular, nas mais diversas variantes)."
  • "Este artigo é tão estúpido, desconchavado, ideologicamente falso e desonesto que nem sei o que comentar…"
Ou, para aqueles para os quais provas mais detalhadas são necessárias:
  • "Não li o artigo todo, pois é um total chorrilho de disparates, daqueles que têm fomentado um aumento dos conflitos sociais, do ódio baseado na ignorância e na incoerência e dos conflitos familiares (filhos contra pais e vice -versa por futilidades), abrindo portas a um total egoísmo/egocentrismo sem limites, na medida em que o descontrolado uso da palavra liberdade, dá para tudo. Em suma, estamos perante alguém que defende o marxismo cultural, uma sociedade sem regras, sem Valores, que acaba sempre por ser dominada pelos mais fortes, como aconteceu nos regimes socialistas totalitários."
Ou mais sucintamente (e o meu favorito):
  • "Mas que PARVALHÃO!"

Alternativa B: O que o LA-C escreve não interessa nem ao menino Jesus


As provas falam por si neste caso também:

  • "Um artigo sem sentido"
  • "O artigo não tem lógica."
  • "As ideias do Sr. LAC são totalmente falsas."
  • "Apetece-me dizer que este é o género de análise que não faz falta. Certa ou errada, não faz falta."
  • "Mas como é que deixam que se publique este punhado de estrume?!"

Ou o mais constructivo (ainda que punhado de estrumo seja muito bom também):
  • "Caro articulista: tenha juízo, cresca e apareça."

Alternativa C: O LA-C é um fascista...


O extremismo de LA-C é em muitos casos facilmente desmascarado, não deixando margem para dúvidas:
  • “Pode candidatar-se a aconchegador do cobertor do Cavaco,quando ele se deita.”
  • “(...) além de reaccionária, toda a consideração (de LA-C) é profundamente triste. Estéril em termos de visão macro-económica e ignorante no que toca à conjuntura mais recente.”
LA-C, assume-se de esquerda de dia, mas à noite aquece-se com Cavaco, qual Vampior político sedento de sangue de esquerda.

Alternativa D: Ou então é comuna!


Por outro lado, há quem ache que LA-C é na verdade um agente duplo, comunista em pele de fascista, para enganar as meninas virgens e comer criancinhas ao pequeno almoço:

  • LAC já aderiu ao BE, ou está só em "negociações" para saber a que estatuto se pode alcandorar no 3º partido do parlamento?
  • Ou é "duro de ouvido" ou apenas parvo. - um indivíduo com sentido de democracia e pluralidade no mínimo discutivel. O que diz bem da sua manifesta adoração a geringonça.  
Será LA-C um agente duplo ao serviço da geringonça, sedento de poder?

Alternativa E: O LA-C não percebe um caralho de economia!


Nesta categoria (que recolhe 13% das intenções de voto) incluem-se comentários que provam para lá de quaisquer dúvidas a ignorância do mesmo sobre a área na qual se anuncia especialista. Exemplos de provas contundentes quanto à sua ignorância neste campo incluem:
  • "Acho que o autor é que percebe pouco de economia.
Ou com ainda maior detalhe: 
  • “O caro Luis Aguiar precisa de rever as suas noções de Economia, as suas conclusões econométricas e, sobretudo, fazer aquilo que advoga neste artigo”

Palavras para quê?


Posto isto, e graças ao brilhantismo dos comentadores da blogosfera, estamos finalmente na posição de poder desamascarar LA-C por aquilo que realmente é: Um cyborgue idelógico. O roblogcop português: metade fascista, metade comuna. Metade burro, metade ignorante. 100% ilegível, a julgar pela falta de leitores (e comentadores).
As estatisticas – expostas no gráfico em baixo – são as provas (econometricamente irrefutáveis) que faltavam. 






Mas, se por qualquer razão (ou bom-senso), não teve ainda oportunidade para insult  desmascarar LA-C, por favor vote na sondagem que se segue. O seu voto pode fazer a diferença. Façamos Portugal grande de novo!


Quem é na realidade LA-C?

A) Um burro do caralho
B) O novo Salazar
C) Um Álvaro Cunhal em pele de cordeiro
D) O Michael Thomas da Economia
E) O Gustavo Santos do jornalismo
surveymaker





PS: É possível que este post seja, como muitos comentários no Observador, censurado pelo criad(itad)or deste blog. Deste modo, se alguém disponibilizar outro espaço – online ou imprenso -onde possamos circular a verdade tal como provada neste post, por favor não hesitem em contactar o autor. Um bem haja!


22 comentários:

  1. Queim é o Michael Thomas?

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O Michael Thomas é um dos piores, senão o pior, jogador da história do Benfica.

      Eliminar
    2. Rivalizava com o Pringle. Escreverei sobre o Pringle ainda hoje.

      Eliminar
  2. Por esta não esperava eu: desconhecia este chorrilho de criticas atoleimadas.
    É preciso ser-se muito forte para, sem se perturbar, ler comentários tão estúpidos.
    Portanto, é de louvar a saída do André, ao levar a coisa para a brincadeira.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tem de se levar assim. Cada insulto é uma medalha. Caso contrário não se consegue escrever nada em público. O debate elevado que há nos blogues, pelo menos em alguns, nunca chegou às caixas de comentários dos jornais.

      Eliminar
  3. Quem ainda não sabia qual o leitor padrão do Observador fica a saber.

    ResponderEliminar
  4. André, obrigada pelo alerta.
    Andava aqui completamente enganada por esse senhor.

    Luís, muito a sério: não diria que cada insulto é uma medalha. Para mim, cada insulto é um sintoma do cancro, e da imperiosa necessidade de o combater. Obrigada por não desistires.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Helena, não agradeças porque eu não faço isto por missão, é mesmo por diversão.
      E, na verdade, é fácil escrever artigos que não gerem insultos, não têm é interesse nenhum.

      Eliminar
  5. Estou totalmente de acordo com este estudo científico (porque usa matemática e estatística, logo é científico) visto que expressa perfeitamente a minha opinião profunda. Claro está que se não fosse o caso isso queria dizer que o seu autor era um idiota e um palhaço às ordens de alguém que eu goste nada (seja o BE, o CDS-PP, o Futebol Club do Porto, a Russia, o Trump, o Stiglitz, a Igreja católica, os betinhos da linha, o Miguel Sousa Tavares, o Saramago, mesmo morto, a dona Branca ou substitua-se por qualquer outro odio de estimação à excepção do cabrão do carteiro que de esse ocupo-me eu e vai simplesmente apanhar no focinho da próxima vez que o vir a assobiar o hino do Sporting na rua para me provocar). Simplesmente, tenho pena do pequeno falho metodológico que evita a conclusão correta da análise acima. O questionário de investigação de campo deveria incluir a opção; "all of the above". Porque o todo é por vezes mais do que a suma das suas partes (também está provado cientificamente)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Foda-se, eu sabia que me tinha esquecido de qualquer coisa na sondagem! Agora já não vai a tempo. My bad.

      Eliminar
  6. A verdade é que os artigos escritos pelo LA-C são às vezes bastante interessantes e outras vezes bastante fracos. Este último artigo no Observador foi, com todo o respeito, um exemplo do segundo tipo. Ao ler o artigo foi para mim óbvio que a intenção era gerar insultos. Não havia outra explicação...
    Já agora, o Alexandre Homem Cristo escreveu uma resposta a todos os títulos exemplar.

    "Quem ainda não sabia qual o leitor padrão do Observador fica a saber."

    NG, e se fosse ler os comentários aos artigos do João Miguel Tavares para analisar o leitor padrão do Público... As caixas de comentários dos jornais são o que são (nisto, concordo com o LA-C).

    Susana V.

    ResponderEliminar
  7. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar
  8. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderEliminar

Não são permitidos comentários anónimos.