quarta-feira, 11 de janeiro de 2017

Do mijo redentor

Diz-se que o recente relatório do FBI sobre Trump refere, a certa altura, que o senhor futuro presidente dos EUA teve prostitutas a urinarem-lhe em cima, na cama do mesmo quarto de hotel onde, dias antes, Obama teria pernoitado. São várias as camadas interpretativas despertadas por esta fantasia sexual, e que mereciam uma análise psicanalítica devida, se para isso estivesse minimamente habilitado. Não estou. Por isso contento-me como uma que nos envolve a todos. É naquela cama que todos nós acordaremos quando Trump se tornar presidente. Uma cama ensopada por uma excreção humana, supostamente vertida para afogar a última presidência, mas que, verdadeiramente, não passa de uma tentativa de tentar redimir a impotência política e sexual de um homem que tem de pagar (de uma forma ou de outra) para comer miúdas. 

Mas pode ser que nem todos se deixem comer. As reações de Trump no Twitter, ameaçando diretamente o FBI, mostram que testaremos os tais "checks and balances" do sistema americano, os quais, pessoalmente, nunca me descansaram. Nada está garantido. Vai ser uma luta tão pouco digna e tão necessária como aquela que os empregados daquele hotel tiveram na manhã seguinte. 

13 comentários:

  1. Este episódio do hotel parece-me muito exagerado. O Trump não parece ser o tipo de pessoa que gosta que lhe façam xixi em cima; para além disso, se ele gostasse disso, já alguma mulher teria vendido essa informação ao National Enquirer. Ou seja, acho que não acredito; ele é maluco, mas não tanto.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Tendo em conta que este tipo está seguramente no top 10 dos tipos mais chanfrados dos cornos que eu já vi, nada me surpreenderá.

      Eliminar
  2. Onde o desespero da CIA, dos Democratas anti-Sanders e dos Republicanos extremistas já vai... O que ainda dói mais é ver uma suposta elite intelectual urbana e culta, tanto de esquerda como de direita, alinhar nas suas paranóias. Trump pode sequer tomar posse mas já demonstrou ser um político muito útil. Andava por aí muita gente mascarada de democrata a quem agora podemos ver a face.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Concordo em absoluto com o NG: o NG não é muito democrata, pois aflige-se muito com a liberdade de expressão de muita gente.

      Eliminar
    2. Por falar em paranóias, então o FBI inventou o caso, é isso? E, já agora, para quê?

      Eliminar
    3. Sim. A russofobia das Agências de Informação, dos seguidores de McCain e Graham, é paranóica. Basta por exemplo, ler o relatório da semana passada para perceber isso. Insanidade em estado bruto.

      Eliminar
    4. Ó LG, quando o FBI fez o anúncio do email de Hillary Clinton, poucos dias antes da eleição, era tudo verdadeiro e prova de culpabilidade.

      Eliminar
    5. Foi a mesma coisa. Maningâncias entre agências governamentais e media para fazer chicana. O prato do dia na política actual, em vários países. Mas não foi por isso que Hillary perdeu. Até arranjou aí outro bom alibi.

      Eliminar
  3. Bem, para a coisa ter nome, gold shower, é que não é tão pouco vulgar assim. Como diria o meu pai, de gostos não há nada escrito.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Também há o termo em Português: chuva dourada ;)

      Eliminar
  4. Sim, Rita. Há quem encha a boca com palavras bonitas como liberdade de expressão mas não se incomoda com campanhas de perseguição, veremos para quando o silenciamento, a órgãos de comunicação que apresentam alguma informação alternativa aos Mainstream Media.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sim. Coitadinho do Trump. Deixem-no lá ser javardolas à vontade, sem controlo. Afinal, isso nunca correu mal na História.

      Eliminar
    2. Mas o pessoal pensava que se elegia Trump e ia ser um mar de rosas? Agora os Trumpistas vão passar quatro anos a defender o Trump, assim como os Obamistas tiveram de defender o Obama.

      Eliminar

Não são permitidos comentários anónimos.